quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Série de TV já tem site

O site oficial da série de TV de Conspiração 365 que estreará em janeiro de 2012 na Austrália (ainda sem data prevista de estreia para Portugal) já está online e pode ser visitado aqui: http://www.conspiracy365.tv/

A saga chega ao fim!

Chega hoje aos escaparates portugueses o último livro da saga Conspiração 365! Depois de doze meses de intensa corrida, a série chega ao fim numa conclusão que promete surpreender e satisfazer todos aqueles que seguiram fielmente as aventuras de Callum Ormond ao longo deste ano.


É Dezembro, o último mês da mortífera contagem decrescente de 365 dias. Cal precisa desesperadamente de chegar à Irlanda – onde espera que todas as pistas encaixem onde devem – mas, com a segurança do aeroporto em alerta máximo, sair do país parece impossível.
Será que Cal vai realmente descobrir o que aconteceu ao seu pai? Conseguirá ele chegar à Singularidade de Ormond antes do bater da meia-noite? Só o tempo o dirá… Uma coisa é certa: algumas vidas serão subtraídas nesta luta final, e Cal faz de tudo para não ser uma delas!

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Já disponível!

O penúltimo volume desta saga de cortar a respiração!

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Crítica de Leitor: «Setembro»

 «Após o rapto da irmã e da última tragédia, Cal perde a esperança de voltar a ter a sua vida como antes. Mas um milagre acontece e Cal ganha forças para enfrentar os seus inimigos. A esperança é a última a morrer e os milagres acontecem. Cal assim acredita desde o início do ano e continuar ainda vivo, mesmo depois do que tem passado, é de facto um milagre. Cal crê que foi a Oriana que esteve envolvida no rapto da irmã. Decide juntar-se ao seu amigo Boges e arranjar um plano para obter mais informações. Com algum esforço, introduzem uma escuta na casa de Oriana. Pretendem descobrir a localização da Jóia e do Enigma, mas será que conseguem? Não será fácil e, se for descoberto, Cal poderá arriscar mais uma vez a sua vida. O desespero para recuperar a sua vida e voltar para junto da sua família dá lhe coragem para se aventurar, pois o tempo que lhe resta é cada vez menos.
Conspiração 365 – Setembro é mais um volume surpreendente da série Conspiração 365 da autoria de Gabrielle Lord.
Neste volume os perigos e as perseguições continuam a atormentar a vida de Cal. A autora traz-nos momentos emocionantes e completamente imprevisíveis, sempre com muita acção e suspense. Todas as personagens que surgiram ao longo da série têm se revelado aos poucos, de forma cativante e intrigante. Desta vez, a Winter desvenda-nos um pouco mais a sua vida e a morte dos seus pais. Cal está cada vez mais maduro, ágil e perspicaz, tem sido muito agradável seguir o seu crescimento.
A escrita é fluída e contagiante, sempre com um ritmo vertiginoso.
A contagem decrescente continua e, nesta fase, o leitor fica cada vez mais curioso com o desfecho da série. Resta-me esperar pelo próximo mês de Outubro.
Recomendo.»

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Primeiros vídeos da série de TV

Olá fãs da série Conspiração 365!

Começam a surgir na web os primeiros vídeos da série de televisão que irá estrear na Austrália já em Janeiro de 2012.

Neste vídeo são apresentados o ator principal, que interpreta o papel de Callum Ormond, apresenta todo o elenco que participa na série.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

É hoje!

Crítica de Leitor: «Agosto»

«Neste mês de Agosto, deparamo-nos com um volume recheado de perigos e situações desesperantes e completamente inesperadas. Esta corrida frenética está cada vez melhor e mais viciante, sendo impossível interromper a leitura. Mais uma vez, Gabrielle Lord presenteia-nos com uma boa dose de mistério, perigos e muita acção.
A escrita tal com nos volumes anteriores é fluída, leve e contagiante, conduzindo-nos sempre num ritmo alucinante. 
O final é trágico e desesperante, deixando-nos cheios de curiosidade com o próximo volume. 
Que venha o Setembro!
Recomendo.»
 

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Crítica de Leitor: «Junho»

«Meio ano passou, as pistas acumulam-se mas as dúvidas aumentam, o que estará por detrás do Enigma de Ormond é a derradeira questão e a chave para todos os problemas.
Junho é um mês de busca, de esperança, de que com a aquisição da Jóia de Ormond cheguem novas respostas para o nosso jovem e inocente protagonista.
Com amigos fiéis Cal não pode ceder ao desespero e, entre mortos e ferimentos, o mistério permanece e ainda existem pela frente 214 dias para sobreviver, nunca o tempo pareceu tão longo e a perspectiva de vida tão curta.
Se por um lado o nosso protagonista tem quase a certeza de que a Jóia está nas mãos de Siglo, o perigo que acarreta reavê-la quase não justifica o seu fim e, como se isso não basta-se, cada nova peça deste intricado puzzle vem acompanhada de novas dúvidas.
Com os riscos cada vez mais elevados e a habituação ao mal-estar constante, este não é de todo um mês negativo para Cal, ou pelo menos assim julgava o nosso rapaz, até uma nova mentira se juntar à teia complexa que se tornou a sua vida.
A família é parte ausente neste sexto livro mas por outro lado os companheiros de luta mantêm-se sendo cada vez mais cruciais para a sobrevivência de Cal. Boges é um personagem que tem cada vez mais em relevo, pois não só é uma das fontes de sobrevivência do nosso protagonista como é inteligente e um amigo incansável, mas os perigos começam a aproximar-se cada vez mais deste jovem amigo e é impensável imaginar Cal sem o seu auxílio.
Repro é mais uma vez repetente nesta trama e vamos poder contar novamente com os seus truques e habilidades para benefício de Cal, mas é impossível não reflectir, de onde vem e qual o seu passado é algo que estamos longe de descobrir.
Com um momento de especial ternura entre Callum e Winter esta é também uma personagem que provoca sentimentos ambíguos, nada é certo neste destino e o medo já faz parte constante do passar do tempo.
Neste mês de Junho Gabrielle Lord conseguiu mais uma vez diversificar a obra, não apenas com os clichés aos quais já nos habituou, o contra-relógio e a velocidade célere da narrativa, mas também pela entrada e saída de intervenientes bem como a diversidade de lugares percorridos pelo nosso jovem. Mas cenários à parte, é importante reafirmar que uma nova peça crucial se poderá juntar ao material de investigação que Cal já reuniu, até que ponto ela será esclarecedora isso é algo que ainda teremos mais seis livros pela frente para descobrir.
Setembro está a terminar e Outubro já está a porta, para quem segue de perto esta aventura é indispensável deixar escoar o tempo e aguardar por um final que promete conquistar muitos leitores.»
Histórias de Elphaba

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Fotos das filmagens da série!

Começam a aparecer as primeiras fotografias da série de TV que está a ser filmada na Austrália, com estreia prevista naquele país em janeiro de 2012. Aqui estão algumas delas.

Conseguem identificar as diferentes personagens? O que acham das escolhas dos actores?





Página de facebook oficial da série de TV

Gostar aqui.

O relógio não pára… Cada segundo pode ser o último…
Uma aventura de cortar a respiração!

Uma série explosiva!

Excerto: Setembro

«00h00
A tremer, com os dedos sem forças e entorpecidos, regressei a cambalear para a margem pedregosa, perto
da ponte, e deixei-me cair no chão.
Um véu turvo abateu-se sobre os meus olhos ao fitar o rio sombrio com uma sensação de impotência.
Estava em estado de choque. Perdera a minha irmã.
Perdera-a.
Na busca desesperada pela Gabbi, havia-me esquecido por completo dos sequestradores e dos meus amigos. Olhei para cima, para a ponte, à procura de sinais de movimento, mas não conseguia ver nada.
Era como se naquele momento eu fosse o único ser à face da terra, sentado, sozinho, nas margens de um rio bravio que acabara de me roubar a minha irmãzinha.
Voltei as atenções mais uma vez para a água.
De repente, algo chamou-me a atenção. Havia qualquer coisa presa nos ramos sombrios do outro lado
do rio. Estaria lá algo ou seria apenas a minha mente a pregar-me uma partida? A criar formas a partir do luar difuso e de bocados de madeira retorcidos? Esfreguei os olhos e esforcei a vista na tentativa de perscrutar a escuridão.
Invadiu-me uma vaga de esperança; tinha a certeza de que se tratava de uma silhueta humana! Meio submersa e a flutuar perto da margem oposta! Poderia ser a Gabbi, que fora levada pela corrente e se emaranhara na vegetação das margens do rio? Poderia ainda estar viva?
Voltei a mergulhar nas águas geladas e forcei os músculos latejantes das pernas a funcionarem, nadando diagonalmente à corrente, a tentar impedir que ela me arrastasse consigo.
À medida que me aproximava, fiquei convencido que se tratava da Gabbi. A cada segundo frenético que passava, a silhueta ia-se tornando cada vez mais familiar. Ela podia estar viva, repeti na minha cabeça. Ela podia estar viva.
A corrente parecia determinada em impedir-me de a alcançar. Estava a puxar -me com toda a força, mas fiz um esforço sobre-humano e segui em frente.
A água amainou, graças a uma zona abrigada da corrente agitada por uma ponta de terra que actuava como dique. Eu estava quase a chegar. Avancei a chapinhar por todos os lados e por fim consegui pôr-me de pé nas águas baixas.
Semicerrei os olhos e fitei a figura, estendendo os braços para ela. O que eu imaginara que se encontrava lá – a minha irmã – desapareceu repentinamente diante dos meus olhos. A sua imagem foi substituída por uma massa insignificante e sem vida.
Estaquei e gritei de frustração e de fúria, esmurrando as águas. A figura retorcida não passava de um plástico, a compor uma fi gura grotesca e medonha que, do outro lado do rio, parecera uma pessoa franzina.
Nada mais fora do que esperanças vãs. Era impossível ela ainda estar viva.
Voltei a subir tropegamente para a margem, demasiado exausto para praguejar… e demasiado devastado para chorar.»

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Disponível a partir de hoje: setembro

Convencido de que Oriana esteve por trás do rapto da sua irmã, Cal junta-se a Boges para arquitectarem um plano a fim de conseguirem obter as informações de que tanto precisam. Para isso, introduzem um aparelho de escuta na casa de Oriana, disparando-o através da janela.
Será que espiar esta mulher irá revelar a localização da Jóia e do Enigma ou, em contrapartida, colocar Cal na linha de fogo? Com os seus inimigos a aumentarem à velocidade que diminuem os seus dias, Cal arrisca quase tudo para permanecer vivo e recuperar a sua antiga vida.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Em setembro...

Convencido de que Oriana esteve por trás do rapto da sua irmã, Cal junta-se a Boges para arquitectarem um plano a fim de conseguirem obter as informações de que tanto precisam. Para isso, introduzem um aparelho de escuta na casa de Oriana, disparando-o através da janela.
Será que espiar esta mulher irá revelar a localização da Jóia e do Enigma ou, em contrapartida, colocar Cal na linha de fogo? Com os seus inimigos a aumentarem à velocidade que diminuem os seus dias, Cal arrisca quase tudo para permanecer vivo e recuperar a sua antiga vida.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Crítica de Leitor: «Maio»

 «[...]
São abundantes e diversificados os motivos que apelam ao leitor para acompanhar o desenrolar da vida deste protagonista.
A sua história, que nos toca a todos pela susceptibilidade ferida de Cal ao perder o amor da família, os perigos constantes e eminentes a que está sujeito, as emoções amargas transmitidas pelo vazio e, ainda, o seu crescimento individual e instinto de sobrevivência que tantas vezes lhe permitiram estar a salvo por mais um dia.
Outro ponto forte é forma como é disposta a narrativa, que enaltece e diferencia Conspiração 365 de todas as outras histórias com uma distribuição cronometrada, ritmada. Este é um trunfo que não só marca pela inovação, como contribui para transportar o leitor para o momento presenciado na ficção, aumentando assim a adrenalina e oferecendo vida própria à obra.
E depois existe a ilustração que por si só nos coloca na pele do protagonista, ao termos acesso aos documentos e a todo o género de imagens que passam por Callum, colocando o próprio leitor como interveniente na busca do enigma que ameaça o nosso herói, incentivando-nos na pesquisa e familiarizando-nos com os intervenientes.
Para completar este leque apelativo de características que dão vida Cal, e que nos aproxima de toda a história, existe ainda um núcleo de personagens secundárias muito interessante que é fixo, como Boges e Winter, e um segundo grupo mais irregular, com passagens breves, aparecendo ou não mais que uma vez, e que deixam em aberto diversas questões, dimensionando e esmiuçando o interesse e curiosidade devido ao mistério que as circunda, como é caso de Melba.
Esta harmonia perfeita, entre todas a particularidades que citei, só é conseguida através da escrita da autora, que é assertiva conseguindo chegar a todo o género de públicos e que flui descontraidamente sem cair numa rotina, como seria de esperar tendo em conta que no total Gabrielle Lord nos presenteia com 12 livros.


Em suma, Maio é um livro de passagem, com um ritmo ligeiramente mais lento, mas que abre novas perspectivas a Cal, com a possibilidade de adquirir novos conhecimentos e dar um novo passo na sua demanda, ultrapassando uma vez mais uma situações limite, mas mais importante que isso, permitindo-lhe ficar cada vez mais próximo da sua família e, em consequência, da sua liberdade.


Uma aposta por mim muito recomendada da Contraponto, em que cada batimento cardíaco pode fazer a diferença e que terá a capacidade de voz fazer suster a respiração.»
As Histórias de Elphaba

Crítica de Leitor: «Junho»

«Uma série empolgante que prenderá qualquer um do primeiro volume, em Janeiro, ao último!
Conspiração 365 prima pelos mais variados motivos: conjuga, de forma brilhante, acção com medo e mistério; apresenta, em praticamente todos os livros (até agora) algumas pitadas de romance por forma a conferir uma certa frescura e ambiência própria da idade dos intervenientes principais; mostra-se, visualmente, extremamente interessante e apelativa – a contagem decrescente das páginas, a localização e horas precisas dos inúmeros acontecimentos que perpassam a atarefada vida de Cal, a regularidade do lançamento, etc.; estende-se, com relativa facilidade, não só a um público alvo mais jovem como também à camada mais adulta que, sentido algumas saudades dos seus tempos de outrora, se deixa debruçar numa aventura infinita e sem limites; e, claro, faz uso, eximiamente, de um dos mais importantes componentes activos de um livro: as personagens. No fundo, reúne todos os ingredientes chave para um estrondoso sucesso...

No mês de Junho em particular, deliciei-me duplamente com o magnífico regresso de uma série de personagens secundárias que não só obtiveram uma importância tremenda no decorrer da narrativa como ganharam um reconhecimento e enaltecimento ligeiramente mais elevado que em volumes anteriores. Foi com um sorriso bem aberto nos lábios que dei as novas boas-vindas a intervenientes como Griff, o traiçoeiro amigo, Sligo, o bandido sem escrúpulos e Repro, o mãozinhas ágeis – apenas para nomear alguns – e que assisti ao percorrer de caminhos tão sinuosos quanto dramáticos e arriscados. Espero, sinceramente, ver alguns deles novamente.
Em termos comparativos, enquanto que em Maio – talvez um mês mais calmo na vida de Cal – a necessidade de encontrar um tecto e um posto de abrigo não se tenha mostrado tão urgente, em Junho, esse factor percorre com bastante intensidade toda a história. A força que o protagonista demonstra e a determinação que o transformam no jovem rapaz corajoso e incrivelmente interessante a nível literário que é, abarcam-no numa consciência e vitalidade mental fora do normal e que o manterá concentrado na procura e consequente achado de todos os meios indispensáveis à sua sobrevivência – mesmo que por apenas mais alguns dias... – e contra a vontade, cada vez mais recorrente, de pura desistência.

Numa perspectiva inovadora e totalmente inesperada, a estranha e algo repentina familiaridade e estado de confiança entre Boges e Winter deixou-me não só curiosa como imensamente ansiosa pelo desenrolar e posterior descoberta do como e do quando terem chegado, estas duas personagens, ao estado actual de amizade. A ajuda de cada um deles e, por vezes, de ambos é tão preciosa quanto inimaginável e não restam dúvidas de que sem estes dois amigos Cal já teria sucumbido à tempo.
Com Boges a convivência e aproximação são naturais. De certo modo, sente-se um intensificar do relacionamento entre ambos durante todo o livro – e série –, alcançando um estatuto de real e verdadeira família à qual Cal não consegue evitar sentir saudade e nostalgia, contudo, com Winter o caso é um pouco diferente. Foi interessante assistir ao desenrolar das intenções, dúvidas e receios tanto de Cal como dela mesma. A insegurança que emana de uma jovem mulher tão desenvolta e cheia de vida é o puro e perfeito disfarce que, muitas vezes, encontramos nos adolescentes nos dias de hoje. Uma consciencialização subtil que, de certo, afectará e captará a atenção de muitos leitores. Encarar Conspiração 365 como uma mera viagem pelos confins do perigo e da adrenalina seria errado e pretensioso pois estamos perante uma série que tem muito, muito mais para oferecer...

Conspiração 365 – Junho deixa no ar incontáveis questões e ambiguidades, espicaçando o leitor a debruçar-se o quanto antes no volume seguinte – Julho. O final não só eleva as expectativas do leitor a um novo nível de altitude como transmite a sensação de que ainda há muito mais para vir... muito mais para descobrir. 
Não se deixe enganar pelo design jovem e pela premissa aparentemente aventureira, Conspiração 365 é a série perfeita para introduzir os mais jovens na literatura e para permitir a um leitor mais graúdo a possibilidade de algumas horas confortáveis de resistência e incredulidade.»
 

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Conspiração 365 - Agosto

Callum Ormond foi avisado.
Ele tem 153 dias.
A contagem decrescente continua...

Enterrado vivo num caixão, as hipóteses de sobrevivência de Cal estão a esgotar-se tal como o ar que respira. Graças ao ataque inesperado, ele perdeu a Jóia e o Enigma, e agora a sua vida está presa por um fio… sete palmos abaixo da terra.
Boges e Winter tentam desesperadamente encontrá-lo antes que seja tarde demais. Entretanto, Gabbi – a irmã de Cal em estado de coma – foi raptada, e ele é o principal suspeito! Vai ser preciso tomar medidas drásticas e perigosas para a salvar desta vez.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Crítica de Leitor: «Maio»

«Conspiração 365 – Maio é, sem dúvida, uma leitura espantosa e aliciante. Do início ao fim, deparamo-nos com páginas repletas de acção, mistério, perigos e muita emoção. Quanto mais lemos, torna-se cada vez mais difícil parar. Mais uma vez, Gabrielle Lord apresenta-nos uma escrita leve e cativante.
Alguns mistérios começam a fazer sentido. Continuam a surgir situações imprevisíveis, que nos deixam completamente arrebatados.
Um ponto alto deste volume é o aparecimento de uma nova e importante personagem. No fim, ficámos emocionados com a angústia de Cal, por voltar a perder alguém importante na sua vida.
O volume seguinte conspiração 365 – Junho já se encontra à venda nas livrarias.
Recomendo.»
Segredo dos Livros

terça-feira, 14 de junho de 2011

Sinopse de «Julho»

Pode saber aqui as emoções pelas quais Callum passará em «Julho».

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Crítica de Leitor: «Março»

«Depois de um segundo volume que pouco mais fez do que aumentar a expectativa, foi com algum alívio que neste terceiro volume assisti a um desenvolvimento real da trama. Com a já habitual dose de acção, perseguições, perigo e emoção, segui Cal na sua desesperada busca pelo segredo que lhe roubou o pai, afastou da família e tornou num fugitivo perigoso. Com a introdução de novas e curiosas personagens, o nosso herói arrisca bastante mas consegue avançar na sua investigação e é com o coração nas mão que mais uma vez termina este volume, com novas perguntas mas com algumas novas respostas. 

Venha o novo volume, para aplacar dúvidas e eventualmente consolidar teorias!
Não posso deixar de dizer que passei grande parte da leitura a imaginar a acção como um jogo de computador. Seria uma história fantástica numa adaptação desse género.»
Páginas Desfolhadas

terça-feira, 31 de maio de 2011

Em Junho

Cal consegue escapar por pouco do fogo que deflagrou quando o Orca Ormond se despenhou. Enquanto helicópteros sobrevoam os céus, os bandidos de Oriana perseguem-no em terra. Não há tempo para lamentar a morte do tio-avô – Cal tem de se esquivar dos polícias e dos bandidos, e regressar à sua busca pela Jóia de Ormond.
Convencido de que Sligo tem a Jóia, Cal embarca numa perigosa missão para a reaver. Ele espera assim obter as respostas de que tanto precisa, mas e se apenas lhe for revelado outro ameaçador mistério? Roubar dos seus inimigos pode vir a ser um erro fatal…

terça-feira, 17 de maio de 2011

Crítica de Leitor: «Abril»

«Este foi sem dúvida o melhor volume da série até à data.
A vida de Cal não pode piorar e eu não posso estar mais ansiosa de pegar no próximo. Aliás, pensa-se sempre que não há forma de a história de Cal se complicar ainda mais mas a verdade é que autora consegue sempre surpreender. A sua imaginação é soberba, nunca vi nada igual.
O enigma está ligado à Esfinge, o coração de Cal bate por Winter, a irmãzinha mostra progressos e Cal já pode sorrir... ou não, a reviravolta é tal modo alucinante que me deixou boquiaberta.
A escrita é simples mas de mestria porque é impossível ficar indiferente à velocidade constante dos acontecimentos, não há tempo para aborrecimentos.
Há uma complexidade tal na história de Cal que, tal como ele, começamos a duvidar de tudo, ainda mais com o aparecimento constante da cópia. Alegam que ele é louco e ele chega várias vezes  ponderar a sua sanidade mental. Será? Não sei o que pensar e é por isso que estou a adorar seguir as desventuras deste jovem, a quem o mundo virou as costas.
Segredos, mistérios e histórias mal contadas...
Venha o próximo!
Recomendo, recomendo e recomendo!»

Blogue D311nh4

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Excerto: «Maio»

Para quem ainda não leu «Abril» poderá ser uma surpresa o que vai ler a seguir.

Avisamos que vai ficar ansioso ou ansiosa por ler «Maio». :-)

Se continuar, ficará por sua conta, porque o próximo livro só sai daqui a 13 dias...

Nós avisámos!

...

«De repente, os gritos foram substituídos por um silêncio sinistro. Sentei-me, com os pés a tocar ao de leve no piso frio. Estava infelicíssimo e não era só o facto de estar preso naquele sítio que me fazia sentir assim. Tivera uma briga com o Boges, o meu melhor amigo, e não o podia culpar se ele simplesmente desistisse de mim. No que tocava à Winter, eu não fazia ideia. Sentia que não tinha um único amigo no mundo. A minha mãe pensava que eu estava maluco e o tio Rafe estava demasiado absorto nas preocupações com os bens e o lado prático das coisas. O único lampejo de esperança naquele preciso momento era a Gabbi. Eu sabia que ela me apoiaria. Por instinto, os meus dedos procuraram o anel céltico que ela me dera para o girar no dedo, mas é claro que ele já não se encontrava ali. Eu enfiara-o no seu dedo, no hospital. Pensar no tremular das pálpebras dela e na sua recuperação gradual era a única coisa boa que resultara dos últimos quatro meses.
Agora isto…
Como é que eu ia sair dali?»


sexta-feira, 8 de abril de 2011

Hoje a corrida torna-se ainda mais frenética!

Abril estreia-se nas livrarias portuguesas hoje e os fãs de Conspiração 365 poderão saber o que aconteceu a Callum e a Lachlan, que estavam prestes a serem apanhados pelos capangas de Oriana no final do último volume, Março.

Corra já para uma livraria e saiba tudo sobre o que irá acontecer a seguir!

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Março no TOP FNAC

O livro Março da série Conspiração 365 já está no TOP 10 infanto-juvenil da Fnac!


quinta-feira, 31 de março de 2011

Daqui a uma semana...

... «Abril» chega às prateleiras das livrarias portuguesas, com mais uma aventura de Callum Ormond na sua infindável corrida para descobrir quem matou o seu pai e porquê. Deixamos aqui um pequeno excerto para despertar a curiosidade daqueles que seguem avidamente esta intensa história.

«[...]
A silhueta inconfundível do lutador de sumo – o tipo que eu atacara antes, com o spray de gás pimenta em casa de Oriana de la Force – surgiu ao luar. Ele deteve -se quase à frente da fenda onde eu me encolhia. Voltei a suster a respiração. Se ele me deitasse as mãos, estava metido em sarilhos dos grandes. Ele e o seu comparsa, Kelvin, já nos tinham tentado matar a mim e a Lachlan, lançando-nos para fora da estrada com a sua camioneta monstruosa, e agora ele seguira- me até aqui, perseguindo -me por entre quantidades infindáveis de mato, para terminar o que começara.
Ele apontou a lanterna em seu redor sem se mover da sua posição. O feixe de luz viajou lentamente pela vegetação enfezada e húmida, pelos troncos caídos e depois pela superfície rochosa onde eu me encontrava escondido. Fechei os olhos. De certeza que ele me ia conseguir ver do sítio onde estava.
Voltei a abri-los. O feixe de luz subiu e percorreu as paredes da fi ssura estreita, aproximando-se cada vez mais de mim. A qualquer momento ele iria ver-me todo apertado no interior da fenda rochosa.
[...]»

Mais?... Só daqui a 7 dias, numa livraria perto de si!

Crítica de Leitor: «Março»

«A vida de Callum Ormond no mês de Março não é muito diferente. Perseguido pelas autoridades e por criminosos, tenta desesperadament e sobreviver e desvendar o Enigma de Ormond. Tem 306 dias e as pistas que o pai lhe deixou antes de morrer são extremamente difíceis de desvendar. Surgem novas pistas que apenas servem para o confundir e nem mesmo com a inteligência do seu amigo Boges tem sido fácil.
Um sujeito, também ele foragido, ajuda Cal a escapar mais uma vez da morte e das autoridades que o perseguem constantemente. Consegue finalmente encontrar-se com a enfermeira que cuidou do seu pai e que alega ter informações importantes para lhe transmitir. No entanto, o encontro não é pacífico. Cal confronta-se com os criminosos que o têm perseguido e vê-se rodeado de víboras. Consegue enganar mais uma vez a morte e continuar a investigação, que o leva novamente a mais perigos e perseguições.
Cal sente-se frustrado, cansado e só, apenas quer cumprir os desejos do seu pai, mas ainda pouco descobriu e nem sequer sabe em quem confiar.

Conspiração 365 – Março é uma magnífica continuação desta série da autora Gabrielle Lord.
Neste volume deparamo-nos mais uma vez com páginas repletas de suspense, acção e muita aventura. Surgem novas personagens muito interessantes e enigmáticas. A investigação de Cal leva-nos a novos perigos de cortar a respiração.
 
A escrita cativante a as excelentes descrições fixam o leitor de tal forma, que é quase impossível interromper a leitura.
 
Uma série contagiante a não perder.
Só me resta dizer que venha o próximo!»
 

terça-feira, 29 de março de 2011

Crítica de Leitor: «Fevereiro»

«Conspiração 365-Fevereiro é o segundo volume da série Conspiração 365 da autora Gabrielle Lord, publicado pela editora Contraponto. Mais uma vez, deparamo-nos com um volume surpreendente, com ainda mais acção e mistério. Um triller muito bem escrito, cada vez mais viciante e forte. É sem dúvida, uma leitura daquelas de nos tirar o sono, difícil de parar.
A autora criou personagens muito marcantes. Cal é um personagem corajoso e muito maduro para a idade, com uma personalidade realmente forte, contém tudo para nos fascinar.
Fiquei curiosa com a Winter e o Tio Rafe, acredito que são personagens muito curiosas e enigmáticas, que ainda nos vão surpreender nos próximos volumes.
No final deste volume, Cal fica mais uma vez perto da morte, deixando-nos impacientes por saber o que o mês de Março nos reserva.
Recomendo.»
Segredo dos Livros

segunda-feira, 21 de março de 2011

Excerto de «Fevereiro»

Cuidado com os spoilers, caso não tenha lido «Janeiro»!

...


...

«Tínhamos voltado a parar e, tirando os grilos,estava tudo calmo e silencioso. Sentia que todo o meu corpo tremia. Devia ser alguma espécie de choque retardatário. Estávamos rodeados por casas suburbanas, onde eu tinha a certeza de que todas as famílias no seu interior já há muito que se tinham enfi ado na cama. Pensei na minha mãe, sem conseguir dormir na nossa casa, a subúrbios de distância, e na Gabbi ligada às máquinas, sozinha no hospital. A minha mãe quase perdera toda a família: primeiro o meu pai, depois a Gabbi, de certa forma, e agora eu. Queria tanto voltar a ter a minha vidinha antiga e desejava não ser este miúdo perseguido, em fuga, a viver numa espelunca abandonada, a tentar manter -me um passo à frente de… toda a gente.
– Eu oiço coisas sem saberem – afirmou a rapariga, interrompendo de súbito os meus pensamentos.
– Sei que tens algo que o Sligo quer.
Olhei pela longa rua abaixo.
– Sabes o que é? – perguntei. Seria óptimo se esta rapariga me desse algumas respostas a sério.
Ela abanou a cabeça, fazendo reluzir os brilhos no cabelo.
– Apenas que é gigantesco e que ele não vai parar diante de nada para o obter.
– Já reparei.
– Contudo, eu sabia que não sabias nada sobre isso – comentou, num tom prático. – Ter-lhe-ias dito se soubesses. Qualquer um o teria feito… para não morrer afogado em óleo.
Por fim, uma afirmação franca… com a qual podia concordar.
– Pareces saber tanto sobre mim. Acho um pouco injusto que nem sequer saiba o teu nome – observei, na esperança de que a conversa sincera continuasse.
Estava a ser cuidadoso, pois não a queria assustar. Estava em dívida para com ela, por ter desligado a bomba de óleo… e havia tantas perguntas que precisava de fazer. Não só sobre Sligo e o que ele sabia sobre o meu pai, mas sobre ela. Tinha-me ajudado e salvado a minha vida, mas o que estava a fazer com Sligo? Não a conseguia perceber. Era completamente diferente das miúdas que eu conhecia da escola. No entanto, embora estranhíssima, era companhia e sabia bem ter alguém com quem falar… alguém que não me estava a tentar matar.
– Digo-te o meu nome quando lá chegarmos – replicou.
– Chegarmos onde? Pensei que só estávamos a fugir.
– Agora és tu quem me vai ajudar.
– Ai é? Bastava teres pedido a minha ajuda – sugeri.
– Ninguém gosta de ser mandado, especialmente por uma miúda sem nome.
Com uma mão na anca, ela fixou em mim um olhar intenso.
– Está bem. O meu nome é Winter – disse. – Winter Frey. Contente?
– Belo nome – respondi.
– O belo combina comigo – retorquiu.
Estava a tentar lembrar-me de uma resposta espirituosa quando um carro virou para uma rua à nossa frente, a aproximadamente um quarteirão de distância. Não esperei para ver se era o Subaru negro; simplesmente, agarrei na mão da Winter e puxei-a para fora do passeio e para um caminho de acesso cheio de arbustos. Soltei-a, não sem antes reparar numa tatuagem diminuta de uma ave no interior do pulso esquerdo. Ela afastou a mão rapidamente, cruzando os braços num gesto protector, e baixámo-nos ambos, comprimidos um contra o outro, a deitar espreitadelas enquanto o carro passava lentamente por nós.
– O carro do Sligo – sibilou.
Aguardámos, escondidos na escuridão, até termos a certeza de que o carro tinha desaparecido. Winter olhou em redor.
– Vamos.»

terça-feira, 15 de março de 2011

Em Abril!

Atenção! O texto abaixo poderá conter spoilers para quem ainda não leu o livro Março.
...

...

Nós avisámos!
...

...

Agora está por sua conta!
...

...

Callum Ormond foi avisado.
Ele tem 275 dias.
A contagem decrescente continua...

Uma perseguição trepidante corre mal e deixa Cal exposto ao gangue de Oriana. Se for capturado, toda a esperança de resolver a Singularidade de Ormond e ter uma vida normal desaparecerá de novo. Ele precisa de fugir, mas como pode deixar um homem inocente afogar-se?
Se Cal sobreviver, terá de decifrar o Enigma de Ormond e arriscar sair da clandestinidade para impedir os médicos de desligar as máquinas que mantêm viva a sua irmã mais nova. Mesmo que Cal resista até 31 de Dezembro, será que a sua família alguma vez vai voltar a ser a mesma?
O relógio não pára… Cada segundo pode ser o último…
Uma aventura de cortar a respiração!

sexta-feira, 11 de março de 2011

Hoje à venda - Março!

Encurralado, com um comboio a vir na sua direcção, as hipóteses de sobrevivência de Cal são reduzidas. A polícia e os gangues são implacáveis – querem-no atrás das grades… ou morto.
A parada está a subir, mas as pistas para a Singularidade de Ormond só conduzem a mais puzzles, e a novos perigos.
A cada passo que dá, Cal sente-se mais frustrado, sem conseguir encontrar as respostas de que tanto precisa. Haverá alguém em quem possa confiar?
 
O relógio não pára… Cada segundo pode ser o último…

Já disponível numa livraria perto de si!


terça-feira, 1 de março de 2011

Faltam 9 dias... para o 3.º volume sair!

Ainda só vamos em Março, mas Cal já escapou a ataques de tubarões, de rufias, de um leão e a vigaristas bastante duvidosos. Será que a sorte vai continuar a acompanhá-lo?

Não perca, o relógio não pára, cada segundo pode ser o último...

«Na escuridão cerrada conseguia ouvir a minha própria respiração a acelerar...»

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Mais uma crítica!

«Assim que li a sinopse de Conspiração 365 fiquei rendida a esta ideia tão inovadora de construir uma série em doze volumes, numa constante contagem decrescente, editando um a cada mês do ano, de forma a transmitir ao leitor a percepção da passagem do tempo como ela é sentida pelo herói. Quando peguei no livro, maravilhei-me ainda ao reparar no pormenor de todas as páginas se apresentarem enumeradas ao contrário até ao final do livro, num estilo que se adequa perfeitamente a uma história repleta de acção como a que temos perante nós.

O volume de Janeiro inicia-se com o relato da passagem de ano de Callum Ormond, um jovem de 15 anos que vive numa pacata vila australiana e cuja vida, após a morte repentina do seu pai, sofre uma enorme e drástica mudança. Ao receber a profecia de um louco e ao deparar-se constantemente com factos que a corroboram, Cal deve confiar apenas em si mesmo e tentar descobrir as últimas palavras que Tom lhe queria desesperadament e transmitir e não pôde.
Esta Conspiração de Janeiro revela-se uma delícia para miúdos, uma vez que tem uma escrita simples e acessível, uma dimensão reduzida (apenas 192 páginas!) e um herói adolescente; e também para graúdos, na medida em que provoca, inevitavelmente , curiosidade acerca das peripécias que Callum vai enfrentar até ao final do ano e, claro, ansiedade pelo desvendar do mistério que tanto o atormenta!

Uma escritora a manter “debaixo de olho” e uma série a não perder!»
Patrícia Pereira, Segredo dos Livros, Fevereiro de 2011

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Crítica de Leitor

«Achei muita piada a esta ideia de irem publicando os livros da série quase em tempo real, um por mês. É uma ideia original e ainda bem que a editora portuguesa vai seguir esse estilo de publicação. Porque às vezes é terrível ficar à espera que um livro seja publicado; num livro dirigido aos mais jovens, é uma boa maneira de os "agarrar" à leitura.
O que me leva ao ponto negativo. Como é dirigido para jovens (e também porque, imagino, ao ritmo de um por mês, a autora não podia escrever livros grandes e muito desenvolvidos, a não ser que tivesse começado a escrever a série com 5 anos de antecedência), a linguagem é simples, e no início estava a ter dificuldade em entrar no livro devido a isso.
Mas passando a relutância inicial, até gostei! A certa altura ganha um ritmo alucinante e leva-nos embalados até ao fim. Acho que é quando as "desgraças" começam a acontecer ao personagem principal que fiquei envolvida nas suas peripécias. O mistério subjacente à história promete, e por um lado é bom ir saber o que se passam nesta história no fim deste ano, mas por outro Dezembro parece que está tão longe!
Uma (boa) nota para o preço decente (quando tantos livros hoje em dia estão um bocado overpriced), e o uso do selo temporal nos acontecimentos para dar mesmo a sensação que estamos a seguir a história em tempo real. Uma coisa desconcertante é a paginação decrescente, como se fosse um countdown - estranha-se depois entranha-se, penso eu.»
do blogue http://p7-books.blogspot.com/

Destaques na web

O Mundo de Callum n'O Jardim Assombrado de Carla Maia de Almeida

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

O misterioso tio Rafe

Irmão gémeo do pai de Callum, o tio Rafe apesar de ser para os desconhecidos indistinguível do irmão, já para Callum eles são completamente diferentes. De aspecto duro e ar carregado, como se estivesse num funeral, Rafe quase se mata e ao sobrinho num passeio de barco ao ignorar os avisos de Callum sobre uma tempestade que se aproxima a grande velocidade. Além disso tem atitudes estranhas que deixam Callum desconfiado. Será afinal de contas o tio Rafe bom ou mau? E o que saberá ele sobre o Enigma de Ormond?

As respostas estão em Conspiração 365...

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Crítica de Leitor a «Janeiro»

«Recheado de acção e secretismo, Conspiração 365 – Livro 1: Janeiro é uma série que certamente vai agradar a um leque vasto de leitores. Com uma intensidade imensa, uma personagem que constantemente vê a sua vida ameaçada por pessoas desconhecidas e eventos tenebrosos e um cortar de fôlego pronunciando, este livro é excelente para proporcionar umas excelentes horas de ansiedade e diversão.
Callum Ormond, de 15 anos, vê a sua vida sofrer uma reviravolta estonteante quando, pouco após receber e sofrer a morte do seu pai, é avisado de que corre grande perigo. Tendo de sobreviver nos próximos 365 dias, sem ser apanhado por nenhum grupo ilegal e até pelas autoridades que, na imprevisibilidade do destino, o colocam como suspeito de um crime que ele não cometeu, Callum vê-se rodeado de inimigos e sem ninguém em confiar. A sua mãe está confusa, o tio aparenta um comportamento estranho e a irmã, de tenra idade, não sabe ao certo o que esperar do futuro... por isso, Cal pode apenas contar com Boges, um amigo de longa data, para partilhar alguns dos segredos descobertos e mistérios desvendados. Com questões atrás de questões, imprevistos atrás de imprevistos, Conspiração 365 – Livro 1: Janeiro é um livro cativante, frenético e inesperado. A escrita de Gabrielle Lord é simples e objectiva, concentrando-se exclusivamente no necessário e colocando de parte qualquer pormenor ou detalhe sem interesse. Assim, o leitor é encaminhado para uma viagem ao estilo cinematográfico em que consegue, com uma certa clareza, imaginar cada situação, cada personagem e cada perigo diante dos seus olhos.
Achei este livro muito interessante. É de rápida leitura, ornamentado com letras grandes, algumas imagens apelativas e complementares ao conteúdo da história e apresenta ainda um pormenor que me deixou deliciada: a numeração das páginas encontra-se ao contrário, ou seja, de forma decrescente o que vem, uma vez mais, potenciar a ideia de que estamos perante uma narrativa em que cada segundo, cada minuto e cada hora conta. Com uma estrutura bastante interessante, dividida em horas e dias do mês, personagens selvagens, destemidas e variadas, e uma acção sempre presente praticamente sem pontos mortos, Conspiração 365 – Livro 1: Janeiro é um início de série que promete não só surpreender o leitor a cada volume publicado como também, e acima de tudo, promete viciar, entreter e cativar. Agora, com o primeiro volume agendado para 21 de Janeiro, a mim resta-me apenas aguardar pela chegada de Feveiro com Conspiração 365 - Livro 2: Fevereiro a ser lançado dia 4 desse mesmo mês.
Uma série que recomendo pela sua diferença e singularidade.»
 

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Pack Janeiro/Fevereiro disponível

Olá, fãs da Conspiração 365!

Melhor do que comprar um livro, é comprar dois livros pelo preço de 1! Já é possível adquirir o pack com o primeiro e segundo volumes de Conspiração 365 numa livraria perto de si!

Booktrailer de "Fevereiro"

Não se esqueçam que a contagem decrescente continua...

Callum já só tem 334 dias.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Em Fevereiro!


Callum Ormond foi avisado.
Ele tem 334 dias.
A contagem decrescente continua...
A pacata vida de Cal acabou assim que a mortífera contagem decrescente começou. Entretanto, foi atacado por tubarões, acusado de um violento ataque à sua família, raptado por dois gangues e quase que o afogaram num depósito de óleo...
Ele é um fugitivo procurado que fará tudo para sobreviver. Mas estará Cal desesperado o suficiente para se aproximar de um traidor envolvido com assassinos? Ou para se arriscar a voltar ao cenário da tentativa do seu homicídio? Deverá ele encontrar-se com um misterioso informador, podendo tratar-se de uma armadilha?
O relógio não pára... Cada segundo pode ser o último...
Uma aventura de cortar a respiração!

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Já disponível...

Numa livraria perto de si: Conspiração 365 - Janeiro

Queremos saber o que acharam do livro!

O próximo volume sai a 4 de Fevereiro!

Não percam, a corrida já começou.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

A decorrer passatempo no blogue Esmiuça o Livro

Quem quiser ser dos primeiros a ler os fantásticos livros da Conspiração 365, pode habilitar-se a ganhar um exemplar de Janeiro e outro de Fevereiro aqui.

Boa sorte!

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Primeira crítica ao livro "Janeiro"!

A primeira crítica de um Leitor português ao primeiro volume da série já pode ser lida aqui.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

21 de Janeiro está quase a chegar!

É já no próximo dia 21 de Janeiro, sexta-feira, que sai o primeiro volume de Conspiração 365 e começa a grande saga de Callum Ormond.

Não desvies o olhar, não te esqueças de respirar! A corrida começa daqui a 14 dias...

Entretanto, poderão ler o blogue de Callum ou acompanhá-lo no twitter (em inglês):

http://teenfugitive.com/

http://twitter.com/calormond